Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Mito Perigoso

14.11.12

Brandos costumes

Um avisado texto da autoria de Pedro Norton, publicado na Visão em 1 de Novembro de 2012

 

Sei de um país onde, há pouco mais de cem anos, numa «tarde linda, azul, morna, diáfana», um «homem de barba preta», professor do 1º grau de instrução primária, e um «homem do estribo», antigo empregado de comércio, assassinaram, a sangue frio, o chefe de um Estado em muito mau estado.

Sei de um país onde os revolucionários são assassinados por doentes tresloucados, antes ainda de fazerem a revolução. Sei de um país onde os revolucionários se suicidam, antes ainda de terminarem a revolução.

Sei de um país que fez da República Velha uma revolução contínua. «Atos revolucionários, sediciosos, pronunciamentos, golpismos, intentonas, iventonas, efetivas ou potenciais.»

Sei de um país cuja I República fornece «exemplos para quase todos os tipos de golpismos insertos nos manuais, desde os que ocorreram sem efusão de sangue, aos que atingem o nível do morticínio».

Sei de um país em que um major se fez Presidente-Rei por meio de uma revolução sangrenta que deixou no chão uma centena de mortos e mais de 500 feridos. Sei de um país onde Sidónio, «Presidente da República, pela vontade do Destino e o direito da Força», se aguentou um único ano «à tona do caos português». Sei de um país, que por esta altura, assassinava um Chefe de Estado a cada dez anos.

Sei de um país em que 14 governos no espaço de três anos acabariam por desembocar, numa noite sangrenta de outubro, nos assassínios do Presidente do Governo e do próprio fundador da República.

Sei de um país que dispensou a democracia a 28 de maio e que, «em junho, foi alegremente aplaudir Gomes da Costa à sua, muito sua, avenida da Liberdade».

Sei de um país que, logo depois, fez o Reviralho e montou a guerra civil em pleno coração do Porto. Sei de um país que, em escassos quatro dias, espalhou centenas de mortos e milhares de feridos entre a Praça da Batalha e a Serra do Pilar. Sei de um país aos tiros, no Castelo, na Madeira, nos Açores, na Guiné e que só em Lisboa, num fatídico dia de 1931, da Rotunda às Avenidas Novas, das  Amoreiras às Laranjeiras, junta mais quatro dezenas de mortos às estatísticas do morticínio.

Sei de uma ditadura feita de PVDE, de PIDE. de DGS, de repressão violenta, de torturas e de assassínios políticos. Sei de um campo de concentração eufemisticamente apodado de colónia penal onde terão morrido, «de morte lenta» vários opositores do regime.

Sei de um país que fez uma guerra em África de que ainda não terá contado, com rigor, todos os mortos. Provavelmente menos ainda os feridos, os estropiados, todos quantos não mais deixaram de ter perturbações psíquicas. Sei de um país que só em Wiryamu terá deixado mais de 400 civis mortos, entre os quais muitas mulheres e crianças.

Sei de um país com revolucionários que sonharam encostar à parede ou mandar para o Campo Pequeno «umas centenas ou uns milhares de contrarrevolucionários, eliminando-os à nascença». Sei de um país em que heróis da revolução se fizeram terroristas com provas dadas.

Sei de um país que, contra todas as evidências históricas, continua a julgar-se de «brandos costumes». Sei de um país que, uma vez mais, vive tempos perigosos. Onde o desencanto é geral, a desesperança absoluta, o futuro, dir-se-ia, é coisa do passado. São tempos que deveriam convocar-nos, humildemente, a aprender com o passado. E a primeira lição talvez devesse ser a de reconhecer que não há, na mitologia portuguesa, mentira mais perigosa do que a fábula dos «brandos costumes»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:53


1 comentário

De Gil Montalverne a 18.11.2012 às 18:13

Embora ninguém deseje que episódios semelhantes se repitam´seria bom que fossemos capazes de mostrar a esta escumalha que nos governa que não somos um país de brandos costumes e que quando a panela aquece pode saltar a tampa.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Novembro 2012

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Declaração de Princípios

José Cardoso Pires escreveu, em adenda de Outubro de 1979 ao seu «Dinossauro Excelentíssimo»: "Mas há desmemória e mentira a larvar por entre nós e forças interessadas em desdizer a terrível experiência do passado, transformando-a numa calúnia ou em algo já obscuro e improvável. É por isso e só por isso que retomei o Dinossauro Excelentíssimo e o registo como uma descrição incómoda de qualquer coisa que oxalá se nos vá tornando cada vez mais fabular e delirante." Desafortunadamente, a premunição e os receios de José Cardoso Pires confirmam-se a cada dia que passa. Tendo como génese os valores do socialismo democrático e da social democracia europeia, este Blog tem como objectivo, sem pretensão de ser exaustivo, alertar, com o desejável rigor ético, para teorias e práticas que visem conduzir ao indesejável retrocesso civilizacional da sociedade portuguesa.

Os Meus Livros

2012-05-09 A Edição em Portugal (1970-2010) A Edição em Portugal (1970-2010): Percursos e Perspectivas (APEL - Lisboa, 2012). À Janela dos Livros capa À Janela do Livros: Memória de 30 Anos de Círculo de Leitores (Círculo de Leitores/Temas e Debates - Lisboa, 2011) Risk Management capa do livro Risk Management: Gestão, Relato e Auditoria dos Riscos do Negócio (Áreas Editora - Lisboa, 2004)

Não ao Acordo Ortográfico

APRe! - logotipo